Declaração de Fé

I – DAS ESCRITURAS SAGRADAS

Cremos que as Escrituras do Velho e do Novo Testamento, como originalmente escritas, foram verbalmente inspiradas pelo Espírito Santo, e por isso, expressam toda a revelação divina sem nenhum erro. Cremos, portanto, que a Bíblia é a suprema revelação de Deus para o homem, e a aceitamos como a única regra de fé e prática para a vida – II Timóteo 3:16,17; II Pedro 1:19-21.

II – DO DEUS VERDADEIRO

Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, em um único Deus, o Criador dos céus e da terra, que se manifesta em três pessoas distintas: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo; iguais em poder e glória, executando ofícios distintos, porém harmoniosos, na grande obra da redenção humana – Êxodo 20:2,3; I Coríntios 8:6.

III – DO ESPÍRITO SANTO

Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, que o Espírito Santo é uma pessoa divina, possuindo todos os atributos de personalidade e deidade. É igual ao Pai e ao Filho, e da mesma natureza. Sua principal missão ao mundo incrédulo é de convencer do pecado, da justiça e do juízo. Sua obra entre os salvos, em favor deles, inclui: batizar em Cristo, selar, habitar, enchê-los com Sua plenitude, guiá-los e ensiná-los a andar nos caminhos da justiça e da santidade – João 14:16,17,26; Hebreus 9:14; Efésios 1:13,14.

IV – DO SENHOR JESUS CRISTO

Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, que o Senhor Jesus Cristo foi concebido por obra e graça do Espírito Santo. Nasceu da virgem Maria, de modo sobrenatural. É Deus verdadeiro do Verdadeiro Deus. Sendo “Deus manifestado em carne”, viveu aqui na terra entre os homens, com sua vida perfeita, imaculada, isenta e livre do pecado. Sua morte na cruz do Calvário foi um completo e perfeito sacrifício vicário, propiciatório e substitutivo por causa dos nossos pecados e para salvar-nos da perdição eterna. Sua morte não foi apenas morte de mártir, mas de uma oferta voluntária da parte Deus, o Pai, em lugar do pecador, como o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Ele foi sepultado após morrer na cruz do Calvário, e, ao terceiro dia ressurgiu dentre os mortos. Subiu ao céu, e voltará nos ares para arrebatar a Sua igreja. A sua segunda vinda será pessoal e premilenar. Virá a este mundo para julgá-lo estabelecer o Seu Reino milenar e assentar-se-á no Trono de Davi. Isaías 7:14; João 1:1; I Pedro 3:18; Mateus 28:6; Atos 15:16; Mateus 1:18-25; I Pedro 2:22; João 14:18; I Tessalonicenses 4:16.

V – DO HOMEM

Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, que o homem foi criado por Deus em inocência, porém voluntariamente transgrediu os preceitos divinos, e, perdeu o estado de santidade que o Criador lhe dera. Em conseqüência da queda, todos os homens são pecadores, devido a sua descendência do cabeça da raça humana e devida a livre escolha. Por isso, “todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus”, e se acham sob a condenação e a ruína eterna, sem nenhuma desculpa ou defesa – Gênesis 1:27; Romanos 5:12-19; Isaías 53:6; Romanos 3:23.

VI – DA SALVAÇÃO

Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, que a salvação de pecadores é inteiramente de graça, através da obra medianeira do Filho de Deus; sem o auxílio de quaisquer méritos ou obras humanas; e que para recebê-la, a única condição exigida do pecador é que ele se arrependa dos seus pecados e aceite Jesus Cristo, pela fé n’Ele e no Seu sacrifício na cruz do Calvário. Aceitando a Cristo, a pessoa nasce de novo, ou seja, é regenerado pelo poder do Espírito Santo e recebe a nova natureza – a natureza Divina. Nesta benção em que o Evangelho de Cristo assegura ao pecador salvo, inclui a justificação, acompanhada do perdão dos pecados, da imputação da justiça Divina ao crente, exclusivamente pela fé no sangue remidor. Exercendo fé pessoal no Senhor Jesus Cristo, o crente é completamente justificado e entra na possessão de uma salvação certa, segura e eterna – Efésios 2:8,9; II Pedro 1:4; João 3:3-6; 10:28,29; Atos 13:39.

VII – DA IGREJA

a) Igreja – O Corpo de Cristo
Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, que a igreja (as vezes chamada invisível ou universal) é o corpo e a noiva de cristo; que Ele é o cabeça e todos os crentes, os membros; e que contra ela as portas do inferno não prevalecerão – I Coríntios 12:12,13; Efésios 1:22,23; 4:15,16; 5:25-27,30,32; Mateus 16:15-19.

b) Igreja Local
Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, que a igreja local de Cristo é uma comunidade de crentes batizados e associados por um pacto, na fé e na comunhão mútua, segundo o Evangelho, com o propósito de observar as duas ordenanças e tudo quanto Cristo mandou; e para ser governado pela lei de Cristo e exercer os dons, direitos e privilégios que lhe são peculiares à luz da Palavra de Deus. Os oficiais da Igreja, segundo as Escrituras são: Bispos ou Pastores e Diáconos, cujas qualificações, direitos e deveres estão claramente definidos nas Epístolas a Timóteo e a Tito – Mateus 28:19,20; Atos 2:41,42; Tito 1.

VIII – DO BATISMO

Cremos, de acordo com os ensinos das Escrituras, que o Batismo é a imersão do crente, em água, demonstrando assim, através de um emblema solene e belo, a fé do batizado no Salvador crucificado, sepultado e ressurreto, significando que o batizado morreu para o pecado e o mundo e ressuscitou para a vida nova em Cristo, que é o requisito para ser membro da igreja local – Atos 8:36-39; Romanos 6:3-5.

IX DA CEIA DO SENHOR

Cremos, de acordo com os ensinos das Escrituras, que a os elementos da Ceia do Senhor são o símbolo do Corpo de Cristo; e que é feita em memória da morte do Senhor Jesus Cristo, até que Ele venha; e que o crente, para recebê-la, deve antes examinar-se a si mesmo, e estando em condição, participe dignamente dela – I Coríntios 10:16,17; 11:23-28.

X – O GOVERNO CIVIL

Cremos, de acordo com os ensinos das Escrituras, que o governo civil é ordenado por Deus para os interesses e a boa ordem da sociedade humana; que devemos orar pelos magistrados, honrá-los e obedecê-los, salvo naquilo que for contra os ensinos da Palavra de Deus. Cremos na separação completa e absoluta entre o governo e a igreja local – Romanos 13:1-7; I Pedro 2:13,14; I Timóteo 2:1-3.

XI – DO ESTADO ETERNO

Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, que todos quantos forem justificados pela fé no nome de Nosso Senhor Jesus Cristo viverão na eternidade, na presença de Deus, no pleno gozo das bem-aventuranças celestiais; e que aqueles que, pela sua impenitência e incredulidade, rejeitam a oferta da graça e da misericórdia de Deus em Cristo, soferão punição cônscia e eterna – Salmo 16:11; Mateus 25:16; João 14:2.

XII – ANJOS E DEMÔNIOS

Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, que Deus criou os anjos como “espiritos ministradores” para servir os seus propósitos. Um destes anjos, liderou uma rebelião e se tornou Satanás, também chamado: “o deus deste século”, “o príncipe das potestades do ar”. Ele é cheio de sutileza e malícia, o qual procura incessantemente frustrar os propósitos de Deus, seduzindo os filhos dos homens. Efésios 2:2; Apocalipse 12:9; II Coríntios 4:4; 11:13-15.

XIII – DO ARREBATAMENTO

Cremos, de acordo com o ensino das Escrituras, na “esperança bendita”: a volta pessoal, pré-milenialar, pré-tribulacional e iminente de nosso Senhor Jesus Cristo, quando a igreja será reunida com Ele – I Tessalonicenses 4:14-17; I Coríntios 15:51,52.

XIV – DA CRIAÇÃO

Cremos que Deus criou todas as coisas. Gênesis 1.

XV – DA SEPARAÇÃO

a) Separação pessoal
Cremos de acordo com o ensino das Escrituras, que o salvo deve separar-se do mundanismo: nos seus pensamentos, prioridades e ações. Romanos 12:1,2; I João 2:15;

b) Separação eclesiástica:
Cremos que o Modernismo, o Neo-Evangelicalismo, o Ecumenismo, e o Movimento Carismático violam os princípios e doutrinas bíblicas, e que os salvos não devem participar com tais, nem dar-lhes apoio – II Coríntios 6:14-18; II João 10.

Comentários estão fechados